domingo, 24 de janeiro de 2010

Drops: Shows, Cinema e Livro [MEGAPOST]

O seu N.R.D.R. ficou quase duas semanas sem uma postagem, afinal, o post do Farinha de 20/01 (aqui) é digno de quem está usando drogas ou voltou abalado depois de umas férias no Haiti. Duas semanas, caramba! Tempo suficiente para acompanhar um drama internacional causado por um terremoto, testemunhar a volta do futebol ‘brazuca’ diluído em torneios regionais e completar o refil de ojeriza com a política em Brasília composta por uma crise ‘mensalônica’ que nos transforma em espectadores idiotas e impotentes.

Bem, duas semanas também é o tempo necessário para resolver algumas coisas antes do retorno ao trabalho, incluindo gastar R$ 400,00 mangos em um computador que de uma hora para outra, achou bacana ‘cair aos pedaços’. Let’s sing a song: Hey você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí. =P  Estaria sendo injusto se eu imputasse somente ao útil PC toda a taquicardia que ele me causara, também tenho minha parcela de culpa ao ligá-lo diretamente na tomada. #vaijumento

Inspirado e ansioso pela temporada final de Lost que vem por aí, vai rolar abaixo o rewind [<<] hiato de two weeks ago, que é uma cobertura e notícias sobre shows (Biquini, A-Ha e Guns), dica de filme (Sherlock Holmes) e livro (Prá ser Sincero…). Let’s play [>] Confira!

<>-+----------------------------------------+-<>

[Show] Biquini Cavadão

Brasília/DF, 09 de janeiro de 2010, Ginásio Nilson Nelson.

BC-sauda

Por volta de 21h30 o Biquini Cavadão sobe ao palco para mais um show arrasador. Bruno e Cia. encarregados de encerrar a 40ª edição da Corrida de Reis, o fazem com competência e fôlego de maratonistas. Apoiados em 25 anos de história em prol do pop/rock nacional, o Biquini em duas horas de apresentação e 23 canções não compartilha com o público apenas música e diversão, compartilha também respeito, companheirismo, coerência e honestidade. Com estas qualidades, a galeria de fãs vai agregando e acumulando mais integrantes após cada show do grupo.

Exagerado’ foi a canção que abriu o repertório live action, então, esqueça por um momento CDs ou DVDs, como diria o Faustão: quem sabe faz ao vivo. Bruno conduz o público que canta em uníssono e não tira os olhos de suas peripécias, retribuindo de forma ativa. Em um momento, o vocalista se joga do palco na platéia, em outro canta com uma fã, coloca todos para se agacharem para em seguida saltarem, arregimenta-os brincando com duas lanternas girando-as no ar como sabres de luz em um momento ‘Guerra nas Estrelas’ e dá dois banhos seguidos na galera com baldes d’água e ainda avisa: quem fez chapinha já era.

Ao fim da última canção: ‘Chove Chuva’, rolou a tradicional visita ao camarim, fui para agradecer e me despedir, enquanto vários fãs e candidatos a esse posto foram lá para tirar fotos e colher autógrafos da simpática galerinha biquiniana. Em tempo: apontar apenas o vocalista Bruno pelo sucesso, simpatia, energia e good vibrations é uma injustiça, ele é apenas um fragmento que interage perfeitamente com os músicos Coelho (guitarra), Birita (bateria), Miguel (teclados), Magal (baixo) e Valmer (saxofone) além da equipe de produção. No Biquini só tem “CB” Sangue Bão.

Setlist (as canções que não são do Biquini estão entre parênteses):
* Exagerado (Cazuza)
* Índios (Legião Urbana)
* Inútil (Ultraje a Rigor)
* Astronauta de Mármore (Nenhum de Nós / Versão original para Starman de David Bowie)
* Teoria
* Dani
* Vou Te Levar / Quando Eu Te Encontrar
* Impossível
* Em Algum Lugar
* Vento Ventania
* Janaína
* Múmias
* Carta Aos Missionários (Uns e Outros)
* Zé Ninguém
* Timidez
* No Mundo Da Lua
* Sexta-feira
* Tédio
* Até Quando Esperar (Plebe Rude) – Participação Philippe Seabra.
* Música Urbana (Capital Inicial)
* Quanto Tempo Demora Um Mês
* Chove Chuva (Jorge Ben Jor)

Galeria de fotos:

2 13 14 16 17 20 22 23 29 33 36 41 43 50 53 56 57 62 63 64

Clique nas fotos para vê-las em melhor resolução.

Vamos aos finalmentes e passar a outros assuntos:

Horas antes do show, passamos a tarde com Bruno Gouveia, acompanhamos o vocalista no hotel e logo em seguida na passagem de som. É sempre um prazer partilhar desses momentos com o senhor Gouveia, que como um bom pai coruja, além de nos mostrar vídeos e fotos do pequeno Gabriel, ainda teve tempo para conversamos sobre música, política, livros e turnê. De quebra, ainda fomos apresentados a novidades e ‘velharias’ musicais que não saem do Ipod do cara. Dêem um pulinho no blip.fm dele e saiba mais. Recomendo!

[Curiosidade] Na série de shows do grupo norueguês A-HA em março pelo país (leia mais abaixo), Bruno admitiu que fará o papel inverso e será mais um fã, inclusive reclamando da ausência desta ou de outra canção no setlist, assim, como fazem os fãs do Biquini Cavadão.

Hum, você perguntou quem venceu a corrida de Reis? Ah tá! No masculino a vitória foi do Alagoano Damião Ancelmo de Souza. É do Brasil, sil, sil!!! Parabéns Damião! Já no feminino, deu Quênia, esse povo não faz nada além de corre e ganhar provas ao redor do mundo? =P A vencedora foi a corredora Queniana Margareth Karrie. Ok, parabéns moça!

Publicações sobre o Biquini Cavadão no N.R.D.R.:

Site oficial (aqui) / Twitter (aqui).

Review de cds: 80 Vol. 2 (aqui) e Só Quem Sonha Acordado Vê o Sol Nascer (aqui).

Resenha de shows: Rock Naval - Brasília (aqui) e Bikini Party - Goiânia (aqui).

Discografia básica – Zé (aqui) e Entrevista com Bruno Gouveia (aqui).

<>-+----------------------------------------+-<>

[Show] A-HA

a-ha

O trio norueguês A-HA, formado em 1982 por Morten Harket (vocalista), Paul Waaktaar-Savoy (guitarrista) e Magne Furuholmen (tecladista), desembarca no Brasil para sete apresentações da sua "Farewell Tour 2010", conforme abaixo. Famoso por canções como "Take On Me", "The Sun Always Shines On TV", "Hunting High And Low", "The Living Daylights", "Stay On These Roads", "You Are The One" e "Crying In The Rain", podemos esperar um espetáculo inesquecível.

* Baurú(SP) / 09 de março / Alameda Quality Center
* São Paulo / 10 de março / Credicard Hall
* Rio de Janeiro / 13 de março / Citibank Hall
* Belo Horizonte / 14 de março / Chevrolet Hall
* Brasília / 16 de março / Centro de Convenções Ulysses Guimarães
* Recife / 18 de março / Chevrolet Hall
* Fortaleza / 20 de março / Siará Hall

Os ingressos podem ser adquiridos  pelos sites www.ticketmaster.com.br e www.ticketsforfun.com.br.

A saudosa turnê promete, afinal, será a última oportunidade para os fãs curtirem ao vivo a banda que encerra definitivamente suas atividades em 2010. Na série de apresentações, além da despedida, o A-HA divulga "Foot of the Mountain", seu nono álbum, lançado no ano passado e que foi recebido com boas críticas.

Os fãs de Brasília, além dos sites citados acima, podem comprar seus ingressos na FNAC Parkshopping, ou no ponto de venda oficial montando no Brasilia Shopping. Além de acompanhar as novidades pelo twitter: ahaembrasilia.

Fique atento no seu N.R.D.R. para mais informações.

<>-+----------------------------------------+-<>

[Show] Guns N’ Roses “Update”

gunschinese

Previamente, publiquei um post sobre o show do Guns que irá rolar em Brasília e outras cidades, confira aqui. Vamos a mais informações, quaisquer dúvidas sobre os shows, poderão ser sanadas pelo telefone: 4003-0848. Um novo site para compra de ingressos está no ar: www.ticketsforfun.com.br. Pela URL, creio que deve pertencer a produtora responsável pela vinda da banda ao país, a paulista Tim For Fun. A produção ainda disponibilizou para informações o site www.showgunsnroses.com.br que até hoje não estava no ar. =/

Infos sobre Cidade / Data / Local / Ingressos / Classificação Indicativa

Brasília / 07 de março / Ginásio de Esportes Nilson Nelson
Os ingressos variam de R$ 500 e R$ 240*
Classificação indicativa: 16 anos

Belo Horizonte / 10 de março / Mineirinho
Os ingressos variam de R$ 500 e R$ 120*
Classificação indicativa: 12 e 15 anos acompanhados dos pais ou responsável legal. Não será permitida a entrada de menores de 12 anos.

São Paulo / 13 de março / Estádio Parque Antártica
Os ingressos variam de R$ 400 e R$ 120*
Classificação indicativa: 12 e 15 anos acompanhados dos pais ou responsável legal. Não será permitida a entrada de menores de 12 anos.

Rio de Janeiro / 14 de março / Praça da Apoteose
Os ingressos variam de R$ 350 e R$ 180*
Classificação indicativa: 12 e 15 anos acompanhados dos pais ou responsável legal. Não será permitida a entrada de menores de 12 anos.

Porto Alegre / 16 de março / Gigantinho
Os ingressos variam de R$ 280 e R$ 130
Classificação indicativa: 12 e 15 anos acompanhados dos pais ou responsável legal. Não será permitida a entrada de menores de 12 anos.

* Ingressos com direito à meia-entrada.

<>-+----------------------------------------+-<>

[Cinema] Sherlock Holmes

sherlockholmes_3

Dirigido por Guy Ritchie e estrelado por Robert Downey Jr. (Sherlock Holmes), Jude Law (Dr. John Watson) e a #aipapai Rachel McAdams (Irene Adler), o filme Sherlock Holmes ganha força exatamente por fugir da fórmula “elementar meu caro Watson”, que sedimentou o perfil das aventuras literárias do personagem, famosas em todo o mundo e escritas pelo britânico Sir Arthur Conan Doyle.

O Sherlock criado por Sir Arthur, além da estimada inteligência e da capacidade de criar cenários a partir de detalhes, também era adepto do boxe, uma minúcia que foi ignorada em produções de diversos formatos inspiradas no personagem. O diretor Guy Ritchie inteligentemente resgatou e amplificou esse perfil, recriando um aventureiro não somente dependente do seu intelecto, mas também pronto para resolver as pendências no braço quando a esperteza não puder ser exercida. Uma característica essencial para os padrões Hollywoodianos em exibições sejam elas nas festas de fim de ano ou no verão, ambas lucrativas para a indústria cinematográfica.

Sherlock Holmes tem na sua trinca de atores Robert Downey Jr., Jude Law e Rachel McAdams um grande trunfo. A atuação dos três flui bem e preenche os espaços vagos do roteiro que em alguns momentos lembra uma história do Scooby-Doo, graças ao Sherlock investigar eventos paranormais patrocinados pelo vilão Lord Blackwood, vivido por Mark Strong. Vale destacar que esse é o momento de Robert Downey Jr., o cara do sucesso em Homem de Ferro (2008). Êxito que deve se repetir na continuação que estriam nos cinemas em maio deste ano, e na já confirmada sequência de Sherlock.

A parte técnica também merece elogios, seja pela trilha sonora, ótima direção de arte e efeitos especiais, ou pelo destaque para a belíssima fotografia, boa edição e direção. Aliás, a carreira do cineasta Guy Ritchie merece deslanchar desta vez, o diretor sempre esteve na mídia, pela excelente estreia em Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes (1998); pela parceria com Brad Pitt no divertidíssimo Snatch - Porcos E Diamantes (2000), ou pelo terrível Destino Insólito (2002), estrelado pela pop star Madonna, alçada a condição de múmia e namorada de ‘Jesus Pús nos Cús’, após separar de Guy, sim, Guy era marido dela, o que também gerou muitas notícias e fofocas com o nome do referido diretor. Esse último filme não tinha como dar certo né? As produções com a Madonna geralmente estão no mesmo naipe dos da Xuxa. Em tempo: esta nem merece um link para o nome dela.

Sherlock é um filme na rota, cumpre sua função de divertir. Merece nota 7,0.

<>-+----------------------------------------+-<>

[Livro] Pra Ser Sincero: 123 Variações Sobre Um Mesmo Tema / Escrito por Humberto Gessinger

PraSerSincero2

Clique na imagem para ler o texto em melhor resolução.

Na função de escritor, Humberto Gessinger conhecido como baixista, vocalista, letrista e líder da banda Engenheiros do Hawaii, lançou no final do ano passado o livro ”Pra Ser Sincero: 123 Variações Sobre Um Mesmo Tema”. A publicação destaca-se pela belíssima diagramação, dezenas de fotos, informações sobre discos, reproduções de letras das canções e matérias de jornal sobre o grupo. Detalhes que automaticamente mudam o foco da leitura, e caso você ache que “Pra Ser Sincero…” seria uma biografia sobre os Engenheiros, o mesmo comporta-se como um grande catálogo visual para os fãs, principalmente praqueles mais novos que por motivos claros, não acompanharam ou conheciam a fase áurea da formação Power Trio.

E as histórias sobre o EngHaws? Elas estão lá, só que não em questão de prioridade. Elas existem porque fazem parte da vida do músico Humberto Gessinger. O livro funciona como uma autobiografia, relatando as fases da vida de H.G. desde criança, passando pela adolescência, faculdade, Engenheiros, HG Trio e chegando ao atual trabalho musical intitulado Pouca Vogal, fruto da parceria de Gessinger + Leindecker, integrante do grupo ‘também’ gaúcho Cidadão Quem.

Fiquei um pouco decepcionado em relação ao textual, afinal, um livro que tem 300 páginas, ser composto de apenas 74 escritas pelo Humberto e 11 pelo professor e escritor Luis Augusto Fischer, há de convir que é muito pouco. Não que isto signifique que o livro é ruim, longe disso. Existem histórias boas e outras emocionantes, como a forma que o adolescente Humberto encontrou para ‘matar’ um pouco da saudade do pai que faleceu quando HG tinha 14 anos.

Quem sabe agora, com os Engenheiros do Hawaii completando 25 anos de histórias e boas canções, não teremos uma turnê comemorativa com a formação GLM e mais um livro? E nesta torcida, nos resta parafrasear a canção Exército de Um Homem Só: “em livros de história seremos a memória dos dias que virão...” e sonhar!

<>-+----------------------------------------+-<>

Como diria o Gaguinho dos Looney Tunes: ‘Po, po, por, por hoje é só pessoal’. Espero que você tenha curtido esse MegaPost. Sinceramente que ele tenha servido para preencher um pouco do hiato, afinal, você que curte o nosso trabalho merece mais atenção. Acredito que agora o ano recomeça realmente, e no seu N.R.D.R. o bicho vai pegar!

Abraços a todos e se possível comente!

Cristiano Porfirio

P.S.1: Assumo que inda não sei todas as regras da nova ortografia, caso haja algum erro. Desculpe! =P

P.S.2: Você odeia posts grandes como este MegaPost? Obrigado pela resposta! =)

4 comentários:

Carlos Henrique. disse...

Eu gosto de mega postagens. São mais enriquecedoras. Acho inclusive que esta ficou muito boa. Apenas uma correção ou divergência. Em relação ao comentário sobre política, a nossa decepção tem que ser com o ser humano e não com a política. O ser humano é que produz corrupção e não a política.

Abração;
Carlos Henrique.

Nelson Junior disse...

ahaha cara confesso qeu não li tudo, mas bacana ter lembrado do Sherlock Holmes.

Abraços

Hannah Islanne disse...

Adorei tudo! Muto bom Cris =)é bom voltar aqui e ver tanta informação etc.
bjs

Lini disse...

foi pra compensar as 2 semanas sem posts! ahahaha.

Nossa, to mto afim de ver esse livro do Engenheiros... =)

by TemplatesForYouTFY
SoSuechtig, Burajiru